quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Problemas de pele?





Será que a dieta pode ajudar?

Um dos males mais freqüentes entre nossos amigos peludos são as dermatopatias. Ou seja, problemas de pele e pêlos. Por conta disso houve uma explosão no mercado de alimentos industriais voltados a melhorar a saúde da pele e da pelagem. Rações que supostamente prometem devolver o brilho à pelagem e fórmulas hipoalergênicas que excluem de sua composição àqueles ingredientes que mais frequentemente desencadeiam reações alérgicas.

Grande parte destes alimentos usam como principal fonte protéica, a carne de cordeiro. Entretanto, é importante entender que a carne de cordeiro não é uma fonte de proteína milagrosa que têm qualidades que melhoram a saúde da pele e dos pêlos e muito menos é hipoalergênica por natureza!

Vamos entender.

No caso das rações hipoalergenicas, o que acontece é que como muitas vezes não foi diagnosticado a origem alimentar que desencadeia a reação alérgica, e o cordeiro é comumente uma fonte protéica pelo qual o animal dificilmente foi exposto, tornando-se uma fonte protéica neutra e por isso é que animais sensíveis a outras fontes protéicas podem mostrar melhora significante ao mudar sua dieta. Entretanto ela também poderá causar uma reação alérgica, assim como qualquer fonte protéica.

Outra observação importante é que estas rações continuam contendo em sua composição outros ingredientes que também podem desencadear reações alérgicas como os aditivos e alguns grãos, ou simplesmente às alterações nutricionais que ocorrem com o super-processamento.

Por isso se o seu animal não respondeu bem as rações hipoalergenicas, não desanime! O primeiro passo é descobrir se sua sensibilidade é realmente alimentar. E neste caso apenas uma dieta de eliminação bem administrada é capaz de diagnosticar a suposta hipersensibilidade. Nesta dieta, é oferecido exclusivamente apenas uma fonte de proteína a qual o animal nunca foi exposto junto de um carboidrato durante um período de tempo até que o animal não apresente mais nenhum sintoma alérgico, sendo imprescindível que nenhum outro alimento ou petisco seja oferecido durante esse processo. Depois, gradativamente, outras fontes protéicas são introduzidas uma a uma e ao voltarem os sintomas o ultimo alimento causador da sensibilidade é excluído da dieta. Para mais informações sobre a dieta de eliminação consulte um Médico Veterinário Nutricionista de sua confiança.

Se por acaso o seu peludo tem uma alergia não relacionada a alimentos

Animais que apresentam dermatopatias devem ser assistidos por um Médico Veterinário Dermatologista, mas mesmo que sua origem não seja alimentar é importantíssimo que em paralelo eles também deverão receber uma dieta altamente nutritiva contendo ingredientes com nutrientes de alta qualidade.

A alergia nada mais é que uma reação exacerbada do sistema imune a proteínas de origem externa.

Por exemplo, no ambiente alguns exemplos são o pólen, fungos, gramíneas.

Muitos cães e gatos são sensíveis a proteína encontrada na saliva das pulgas, causando-lhes terrível reações alérgicas.

As alergias alimentares mais comuns são causadas por carne vermelha, e sub-produtos animais (fonte de proteína principal na maioria das rações), produtos lácteos, trigo, milho e leveduras.

Mas por que é que alguns animais são mais sensíveis que outros?

De acordo com Dr. Martin Goldenstein, um renomado veterinário, autor do livro The Nature of Animal Healing, o conhecimento convencional indica que alguns animais não muito sortudos possuem uma predisposição genética para reagir a estas proteínas. Mas concorda que esta é uma afirmação apenas parcialmente verdadeira, uma vez que encontramos animais que ora apresentam a sensibilidade e ora não.

“Minha visão sobre às alergias começa com a premissa que uma alergia não é a causa de origem dos sintomas que manifesta. Ela é o próprio sintoma, que se exacerba quando o sistema imune é sensibilizado pelo alergeno (substância que causou a alergia). Isto é geralmente secundário a um sistema imune afetado por uma toxicidade acumulada. A genética pode estar envolvida: um animal de estimação com antecedentes familiares alérgicos pode sim ser mais propenso a elas. E uma fragilidade adquirida pode igualmente ser um fator que permite que qualquer sintoma se manifeste mais facilmente, especialmente em uma parte mais fraca do corpo. Mas de uma maneira ou outra, tudo que leva a um acúmulo tóxico é capaz de formar uma base para a alergia. Então o objetivo é desintoxicar o corpo e tornar o sistema imune saudável e não apenas tratar os sintomas.”

É por este motivo que é imprescindível uma alimentação saudável para fortalecer o sistema imune do animal sofrendo com alergias, independente de sua origem.

A melhor dieta para animais com problemas dermatológicos, deverá consistir de uma gama ampla de amino-ácidos essenciais, ácidos graxos essenciais como o Omega 3. Ela deverá conter quantidade moderada de proteínas de alta qualidade e baixa quantidade de gorduras saturadas e a menor quantidade de aditivos possível.

Fonte: Canine Nutrition – Lowell Ackerman DVM
The Nature of Animal Healing – Martin Goldenstein DVM

Nenhum comentário:

Postar um comentário